O que é ABA?

A internet nos garante um universo sem fim de informações! Você já deve ter lido ou pelo menos ouvido a expressão “método ABA”, certo? Se ainda não, ótimo! Menos uma informação incorreta com a qual você precisará lidar. Se sim, já antecipo a incorreção dela.

A Análise Aplicada do Comportamento (ABA – Applied Behavior Analysis) não é um simples método ou procedimento de intervenção sobre Transtornos do Espectro do Autismo (TEA). Pelo menos não no sentido de um conjunto estrito de regras de conduta ou passos como de uma receita de bolo. Mais do que isso, é um dos pilares de uma contribuição dentro da Psicologia chamada Análise do Comportamento. Para entender melhor:

Análise do Comportamento: contribuição da Psicologia assim como Psicanálise, Teoria Junguiana, etc.

Behaviorismo Radical: filosofia que fundamenta a Análise do Comportamento. Trata de questões como concepção de mundo, de indivíduo, da relação entre os dois.

Análise Experimental do Comportamento: produção de conhecimento a partir de dados experimentais, por meio de experimentação. O conhecimento produzido, atrelado às concepções filosóficas do Behaviorismo Radical, fortalecem a posição da Análise do Comportamento como ciência independente.

Análise Aplicada do Comportamento: produção de tecnologia, atrelada à experimentação e à filosofia do Behaviorismo Radical, voltada para solução de problemas e demandas socialmente significativas. Vale dizer que são problemas e demandas das mais diversas naturezas e contextos sociais. Ou seja, não se aplica somente aos TEA. Um analista do comportamento (profissional que trabalha sob orientação da Análise do Comportamento) pode atuar e utilizar a tecnologia produzida pela ABA em diversos ambientes: escolas, clínicas, comunidades, etc. A atuação com TEA é somente UMA das possibilidades de intervenção.

Você pode me perguntar: “ok, mas por que é importante eu saber isso? Afinal de contas, o que interessa são as estratégias e procedimentos de intervenção sobre TEA, certo?” Essa clareza do que é ABA é importante para que você entenda todos os procedimentos que não utilizam o princípio básico do treino de mesinha na intervenção com TEA. E posso garantir, são muitos os procedimentos que extrapolam esse tipo de treino. Ao mesmo tempo, o entendimento efetivo do que é ABA também ajuda compreender a importância dos treinos de mesinha. Afinal, eles são cruciais para desenvolvimento de repertórios dentro de contextos específicos.

Por isso, fica meu convite para entender isso melhor. Tenho certeza que sua visão/opinião sobre “método ABA” mudará radicalmente. Boa leitura!